Sobre lesbianidade(s): o que pensam as juventudes?

  • Talita Gonçalves Medeiros Universidade Federal de Santa Catarina, (Brasil)

Resumen

O presente estudo possuiu como objetivo interrogar e compreender as representações sobre a(s) lesbianidade(s) produzidas por estudantes de uma escola agrícola da região sul do estado do Rio Grande do Sul. A pesquisa, orientada pelos Estudos Culturais Lesbofeministas, produziu seus dados a partir de “rodas de conversas” complementadas por anotações no “diário de campo”. Podemos apontar, partindo das análises dos dados, que as estudantes possuem visões e entendimentos críticos e conceituais a respeito da(s) lesbianidade(s). A partir da temática foi possível compreender que a “lesbianidade(s)” é atravessada pela invisibilidade histórico-escolar e quando visível, ancora-se em representações mediadas somente pela violência.

Palabras clave:

Lesbianidade(s), Escola, Diálogo, Lesbofeminismo, Brasil

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Anderson, B. (2008). Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras.

Beavouir, S. (1967 [1949]). O segundo sexo: a experiência vivida. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Caetano, M. (2011). Gênero e Sexualidade: um encontro político com as epistemologias de vida e os movimentos curriculares (Tese de Doutorado em Educação inédita). Niterói: Universidade Federal Fluminense.

Caetano, M. (2016). Performatividades reguladas: heteronormatividade, narrativas biográficas e educação. Curitiba: Appris.

Cisne, M. y Gurgel, T. (2014). Os atuais desafios para o feminismo materialista. Entrevista com Jules Falquet. Temporalis, 27, 245-261. Recuperado de http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/7984

De Lauretis, T. (2000). Sujetos excéntricos. La teoría feminista y la conciencia histórica (pp. 13-34). En Diferencias: etapas de un camino a través del feminismo. Madrid: Horas y horas.

Ellis, H. (1932 [1896]). Inversão sexual. Rio de Janeiro: Brugueira.

Fischer, R. M. B. (2001). Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de pesquisa, 114, 197-223.

Foucault, M. (1988). História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, M. (1993). Verdade e subjetividade. Revista de comunicação e linguagens, 19, 203-223.

Foucault, M. (2004). A ética do cuidado de si como prática da liberdade (pp. 264-287). Em M. Foucault, Ditos e Escritos V. Ética, sexualidade e política. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2011[1975]). Vigiar e punir: nascimento das prisões. Petrópolis: Vozes.

Hall, S. (2009). Quem precisa da identidade? (pp. 103-133). Em T. T. da Silva (org. e trad.) (Ed), Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes.

Hanisch, C. (2016 [1969-1970]). Lo personal es político. Em A. Franulic y I. Jeka (compiladoras), Lo personal es político. s/l, Ediciones feministas lúcidas. Recuperado de http://www.diariofemenino.com.ar/documentos/lo-personal-es-politico_final.pdf

Lopes Louro, G. (2007a). Pedagogias da sexualidade (pp. 7-23). Em G. Lopes Louro (org.) (Ed), O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Lopes Louro, G. (2007b). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes.

Mogrovejo, N. (2000). Um amor que se atrevió a decir su nombre: la lucha de las lesbianas y su relación com los movimentos homosexual y feminista em América Latina. México: Plaza y Valdés.

Mogrovejo, N. (2004). Teoria lésbica, participación política y literatura. Ciudad de México: Universidad de la Ciudad de México.

Navarro Swain, T. (2004). O que é lesbianismo. São Paulo: Brasiliense.

Nogueira, N. (2005). Lota Macedo Soares e Elizabeth Bishop: amores e desencontros no Rio dos anos 1950-1960. Campinas: Rocco Digital.

Peixoto, A. (1934). Sexologia forense. Rio de Janeiro: Guanabara.

Rich, A. (1983). Sobre mentiras, secretos y silêncios. Barcelona: Icaria.

Rose, N. (2001). The politics of life itself. Theory, culture & society, 18(6), 1-30.

Silva, T. T.; Hall, S. e Woodward, K. (2009). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

Soihet, R. (1989). Condição feminina e formas de violência: mulheres pobres e ordem urbana, 1890-1920. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Weeks, J. (2007). O corpo e a sexualidade (pp. 25-41). Em G. Lopes Louro (org.) (Ed), O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Wittig, M. (2006). El pensamiento heterosexual y otros ensayos. Barcelona: Egales.
Publicado
2019-03-15
Cómo citar
Medeiros, T. (2019). Sobre lesbianidade(s): o que pensam as juventudes?. Descentrada, 3(1), e070. https://doi.org/10.24215/25457284e070
Sección
Dossier Género, sexualidades y educación. Intersecciones necesarias para una educación emancipatoria