Uma memória das lutas feministas brasileiras: 1976 a 1988

  • Hildete Pereira de Melo Hermes de Araujo Universidade Federal Fluminense, (Brasil)

Resumen

Este artigo tem como objetivo narrar a chegada das feministas das gerações dos anos 1960/70 ao espaço político brasileiro e desta forma recuperar a história dessas lutas e que culminaram com a escrita dos direitos cidadãos na Carta Constitucional do Brasil de 1988. Mas, esta narrativa foi elaborada como notas memorialistas da autora que viveu com paixão estes momentos da luta pela democracia no Brasil e seu encontro com o ideário feminista que emergia, naqueles anos, no cenário da sociedade brasileira. Assim, estas memórias foram construídas da seguinte forma: primeiro faz-se um breve histórico das lutas feministas ao longo da primeira República, para situar os leitores nos tímidos avanços conquistados pelas brasileiras ao longo daquelas décadas. Em seguida narra os tempos de mobilização, conquistas e derrotas vivenciadas pelo movimento feminista do Brasil, a partir da convocatória da ONU para a “Conferência Internacional da Mulher”, em 1975 e que permitiu as ativistas feministas, em pleno regime militar, a criarem o Centro da Mulher Brasileira (CMB). Enfatiza que este intenso ativismo possibilitou que mulheres tenham tido uma participação pioneira na gestão da política pública nacional. Sem dúvida este teve seu marco mais significativo, em 1985, com criação do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), órgão público responsável por esta política e pelas vitórias obtidas pelas mulheres na redação da Carta Constitucional de 1988, embora diversas derrotas tenham acontecido, como mostra estas memórias. Estas explicadas pelo forte sexismo presente tanto ontem como hoje na política brasileira.

Palabras clave:

Feminismo, Constituição Federal 1988, Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, Políticas Públicas, Brasil

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Amâncio, K. C. B. (2013). Lobby do Batom: uma mobilização pelos direitos das mulheres. Trilhas da história, 3, 72-85.

Brasil. Congresso, Senado Federal (2012). Senadoras: dados biográficos: 1979-2012. Brasília, Senado Federal, Secretaria do Arquivo, Volume I – A-J.

Grupo Ceres (1981). Espelho de Vênus: identidade social e sexual da mulher. Rio de Janeiro: Brasiliense.

Novaes Marques, T. C. de (2016). A regulação do trabalho feminino em um sistema político masculino, Brasil: 1932-1943. Estudos históricos, 58, 667-686.

Pereira De Melo, H. e Novaes Marques, T. C. de (2000). Partido Republicano Feminino – a construção da cidadania feminina no Rio de Janeiro. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, s/p, Disponível em https://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/verbetes/primeira-republica/PARTIDO%20REPUBLICANO%20FEMININO.pdf

Pereira de Melo, H. (2016). As sufragistas brasileiras: relegadas ao esquecimento? Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, 23(23).

Pereira de Melo, H. (2017). Reflexões e vivências sobre a militância feminista na segunda metade do século XX: Rio de Janeiro/Brasil (65 - 87 pp.). Em M. Tamanini, R. Boschila e S. F. Schwendler (orgs.), Teorias e políticas de gênero na contemporaneidade. Curitiba: Ed.UFPR.

Pereira De Melo, H., Soares, C. y Bandeira, L. M. (2017). A trajetória da construção da igualdade nas relações de gênero no Brasil: as empregadas domésticas (pp. 65-83). Em P. Bertolin, D. A. Andrade e M. S. Machado (orgs), Mulher, Sociedade e Vulnerabilidade, Erechin/RS, Editora Deviant.

Pereira de Melo, H. (2018). Histórias e memórias das lutas feministas no processo constitucional de 1985 a 1988: o papel do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), (pp. 36 a 66). Em P. Tuma Martins Bertolin, D. A. de Andrade e M. Sapucaia Machado (orgs), Carta das Mulheres Brasileiras aos Constituintes – 30 anos depois. São Paulo: Editora Autonomia Literária.

Pereira de Melo, H. y Thomé, D. (2018). Mulheres e Poder, Histórias, Ideias, Indicadores. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Perrot, M. (2005). As mulheres ou os silêncios da história. Bauru: EDUSC.

Pimenta, F. F. (2010). Políticas feministas e os feminismos na política. O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (1985-2005). Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília.

Pitanguy, J. (2011). Mulheres, constituinte e constituição (pp. 17-45). Em M. A. Abreu (org), Redistribuição, reconhecimento e representação - diálogos sobre igualdade de gênero. Brasília: IPEA.

Saffioti, H. I. B. (1976). A mulher na sociedade de classe: mito e realidade. Petrópolis: Vozes. Disponível em http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/livro_redistreconhecimento.pdf

Teles de Almeida, M. A. (2017). Breve história do feminismo no Brasil e outros ensaios. São Paulo: Editora Alameda.

Thurler, A. L. y Bandeira, L. (2010). As mulheres e a constituição: ainda um processo em construção (pp. 34-69). Em Messenberg, D. [et al] (orgs.), Estudos legislativos: 20 anos da Constituição Brasileira, Brasília/DF: Senado Federal/Câmara Federal/Tribunal de Contas da União/UNB, vol.1.
Publicado
2019-03-15
Cómo citar
Pereira de Melo Hermes de Araujo, H. (2019). Uma memória das lutas feministas brasileiras: 1976 a 1988. Descentrada, 3(1), e071. https://doi.org/10.24215/25457284e071
Sección
Artículos