Memorias de militantes feministas en la dictadura y en la apertura política en Brasil: la cuestión del trabajo doméstico como reivindicación democrática (1964-1990)

  • Soraia Carolina de Mello Universidad Federal de Santa Catarina (UFSC), Instituto de Estudios de Género (IEG), (Brasil)

Resumen

Este artículo utiliza como fuente memorias de mujeres que fueron militantes feministas durante la dictadura militar en Brasil y que también participaron de la apertura política en el país, a partir de mediados de los años 1980. A través de ellas, se investiga, desde el punto de vista de esas mujeres, comprometidas políticamente con los feminismos y muchas veces con las izquierdas, las interlocuciones entre las problematizaciones feministas acerca del trabajo doméstico y la perspectiva de sociedad democrática que se abre durante el período. Bajo el slogan "democracia en el país y en la casa", los debates feministas articularon lo público y lo privado al denunciar la carga de trabajo doméstico, que era ejecutada casi exclusivamente por las mujeres y sus consecuencias para el pleno acceso de éstas a la ciudadanía. Se trabaja desde la perspectiva de la historia de las mujeres y de las relaciones de género, así como de los debates historiográficos sobre memoria e historia oral; utilizando amplia bibliografía de referencia sobre los feminismos del período, la dictadura y la apertura democrática. De este modo, se pretende pensar la historia del debate acerca del trabajo doméstico, encabezado por feministas de esa generación, como un punto crucial para las mujeres en nuevas perspectivas democráticas que se construyeron en el ámbito político brasileño, en la segunda mitad de los años 1980.

Palabras clave:

Trabajo Doméstico, Historia de los Feminismos, Democracia, Memoria, Brasil

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Abreu, A. R. P., Hirata, H. y Lombardi, R. (Orgs.) (2016). Gênero e trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais. São Paulo: Boitempo Editorial.

Bareiro, L., Soto, L. y Valiente, H. (2005). Necesarias, invisibles, discriminadas. Las trabajadoras del servicio doméstico en el Paraguay. Lima: OIT/IPEC Sudamérica.

Beauvoir, S. de (1970). O segundo sexo: fatos e mitos. Vol1. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bloch, M. (2001). Apologia da História, ou, o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Zahar.

Brasil. (2018). Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Nota técnica número 38. Rio de Janeiro: IBGE.

Bruschini, C. (1996). Fazendo as perguntas certas: como tornar visível a contribuição econômica das mulheres para a sociedade? En GT Gênero e trabalho: questões teóricas, II Congresso Latinoamericano de Sociologia do Trabalho, Águas de Lindóia, Brasil.

Bruschini, C. (2007). Trabalho doméstico: inatividade econômica ou trabalho não-remunerado? (pp. 21-58). En C. Araújo, F. Picanço y C. Scalon (Orgs), Novas conciliações e antigas tensões? Gênero, família e trabalho em perspectiva comparada. Bauru: EDUSC.

Bruschini, M. C. A. (2008). Articulação trabalho e família: famílias urbanas de baixa renda e políticas de apoio às trabalhadoras. São Paulo: FCC/DPE.

Coggiola, O. L. A. (2001). Governos militares na América Latina. São Paulo: Contexto.

Colling, A. M. (2015). 50 anos da ditadura no Brasil: questões feministas e de gênero. OPSIS, 15(2), 370-383.

Costa, S. G. (2002). Proteção social, maternidade transferida e lutas pela saúde reprodutiva. Estudos feministas, 10(2), 301-323.

Delgado, L. A. N. y Ferreira, M. M. (Orgs.). (2014). História do tempo presente. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

Duarte, A. R. F. (2005). Carmen da Silva: o feminismo na imprensa brasileira. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora.

Duarte, A. R. F. y Lucas, M. R. L. (Orgs.) (2014). As mobilizações do gênero pela ditadura militar brasileira: 1964 -1985. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora.

Durán, M. Á. (1983). A dona de casa: crítica política da economia doméstica. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Ferreira, J. y Gomes, Â. C. (2014). 1964: o golpe que derrubou um presidente, pôs fim ao regime democrático e instituiu a ditadura no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Fico, C. (2004). Além do golpe: versões e controvérsias sobre 1964 e a Ditadura Militar. Rio de Janeiro: Record.

Fougeyrollas-Schwebel, D. (2009). Trabalho doméstico (verbete). En H. Hirata [et al.] (Orgs), Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: UNESP.

Freitas, J. L., Araújo, C. S. y Sales, T. B. (2017). “O que essa entrevista está documentando?”: entrevista com a professora Verena Alberti. História oral, 20(2), 237-251.

Friedan, B. (1971). Mística feminina. Petrópolis: Vozes.

Goldberg, A. (1987). Feminismo e autoritarismo: a metamorfose de uma utopia de liberação em ideologia liberalizante. Dissertação de Maestreado. Universidade Federal de Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Haraway, D. (1995). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, 0(5), 7-41.

Harding, S. (1993). A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Estudos feministas, 1(1), 7-31.

Hemmings, C. (2009). Contando estórias feministas. Estudos Feministas, 17(1), 215-241.

Henault, M. (2001). De la rueca a la red. La economia sumergida. Buenos Aires: Ediciones Corregidor.

Hirata, H. (2004). Trabalho doméstico: uma servidão “voluntária”? En T. Godinho y M. L. da Silveira, Políticas públicas e igualdade de gênero. São Paulo: Prefeitura de São Paulo – Coordenadoria Especial da Mulher.

Hirata, H. y Kergoat, D. (2003). A divisão sexual do trabalho revisitada (pp. 111-124). Em M. Maruani y H. Hirata (Orgs.), As novas fronteiras da desigualdade: homens e mulheres no mercado de trabalho. São Paulo: Senac.

Hirata, H. y Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 595-609.

Mariano, S. A. y Souza, M. F. (2015). Conciliação e tensões entre trabalho e família para mulheres titulares do Programa Bolsa Família. Revista brasileira de ciênciapolítica, 18, 147-177.

Medeiros, S. (2017). Aposentadoria leva autonomia e independência às mulheres do campo. Catarinas. Recuperado de http://catarinas.info/aposentadoria-leva-autonomia-e-independencia-mulheres-campo

Mello, J. M. C. y Novais, F. (1998). Capitalismo tardio e sociabilidade moderna (pp. 559-658). Em L. M. Schwarcz (Org.), História da vida privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras.

Mello, S. C. (2007). O trabalho doméstico em Nós Mulheres- Trabajo de graduação em Historia. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Mello, S. C. (2011). Trabalho doméstico: coisa de mulher? Debates feministas no Cone Sul (1970-1989). Rio de Janeiro: Multifoco.

Mello, S. C. (2016). Discussões feministas na imprensa para mulheres:revista Claudia e o trabalho doméstico (1970-1989). Tesis de Doutorado em Historia. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Melo, H. P. (2010). A perspectiva feminista e os trabalhos sobre "Usos do Tempo". Econômica, 12, 6-10.

Melo, H. P. y Bandeira, L. (2013). A Divisão sexual do Trabalho: trabalho doméstico remunerado e a sociabilidade das relações familiares. Gênero, 13, 31-48.

Melo, H. P. y Castilho, M. (2009). Trabalho reprodutivo no Brasil: quem faz? Revista de economia contemporânea, 13, 135-158.

Melo, H. P., Considera, C. M. y Sabbato, A. (2013). 10 anos de mensuração dos afazeres domésticos no Brasil. En 35º Conferência da Associação Internacional para Pesquisas de Uso do Tempo (IATUR), Rio de Janeiro, Brasil.

Moraes, M. L. Q. (1985). Mulheres em movimento. São Paulo: Conselho da Condição Feminina.

Moraes, M. L. Q. (1990). A experiência feminista dos anos setenta. São Paulo: UNESP.

Napolitano, M. (2014). 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto.

Nós Mulheres [São Paulo] (1976), Nº 1.

Pedro, J. M. (2006). Narrativas fundadoras do feminismo: poderes e conflitos (1970-1978). Revista Brasileira de História, 26(52), 249-272.

Pedro, J. M. (2011). Relações de gênero como categoria transversal na historiografia contemporânea. Topoi, 12(22), 271-283.

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Estudos históricos,2(3), 3-15.

Prado, D. (1979). Ser esposa – a mais antiga profissão. São Paulo: Brasiliense.

Revista gênero (2006) 6(2) y 7(1). Recuperada de http://www.revistagenero.uff.br/index.php/revistagenero/issue/view/27/showToc

Sardenberg, C. M. B. (2002). Da crítica feminista à ciência. Uma ciência feminista? (pp. 89-120). En A. A. A. Costa e C. M. B. Sardenberg, Cecília Maria Bacellar (Orgs.), Feminismo, ciência e tecnologia. Salvador de Bahía: REDOR/NEIM-FFCH/UFBA.

Sarti, C. A. (2004). O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Estudos feministas, 12(2), 35-50.

Scott, J. W. (2002). A cidadã paradoxal: as feministas francesas e os direitos do homem. Florianópolis: Ed. Mulheres.

Scott, J. W. (2005). O enigma da igualdade. Estudos feministas, 13(1), 11-30.

Silva, C. (1979). Na luta para se afirmar a mulher tem que ser... Super mulher! Claudia, 210, 168-169.

Silveira, D. (7 de diciembre de 2017). Mulheres passam o dobro do tempo dos homens com tarefas domésticas, aponta IBGE. O Globoonline. Recuperado de https://g1.globo.com/economia/noticia/mulheres-passam-o-dobro-do-tempo-dos-homens-com-tarefas-domesticas-aponta-ibge.ghtml

Tiburi, M. (21 de setembro de 2016). PartidA, um movimento feminista feito de alegria política. Cult. Recuperado de https://revistacult.uol.com.br/home/partida-um-movimento-feminista-feito-de-alegria-politica

Vasconcellos, B. M. y Lima, M. M. T. (2016). Fanny Tabak e os primeiros passos dos estudos sobre Ciência, Tecnologia e Gênero no Brasil. Redes, 22(43),13-32.

Wolff, C. S. (2015). Mulheres de luta: feminismo e esquerdas no Brasil (1964-1985). Projeto de pesquisa. CAPES: Edital 12/2015, Memórias Brasileiras: Conflitos Sociais.

Wolff, C. S., Crescêncio, C. L. y Pedro, J. M. (2016). Ondas, mitos e contradições: feminismos em tempos de ditaduras no Cone Sul (pp. 53-70). En M. A. Monte Rocha (Org.), Feminismos plurais​. Fortaleza, Brasil: Expressão Gráfia e Editora.
Publicado
2019-03-15
Cómo citar
Mello, S. (2019). Memorias de militantes feministas en la dictadura y en la apertura política en Brasil: la cuestión del trabajo doméstico como reivindicación democrática (1964-1990). Descentrada, 3(1), e072. https://doi.org/10.24215/25457284e072
Sección
Artículos