Casa e trabalho: tensões e arranjos no cotidiano de trabalhadoras domésticas

Resumen

Este artigo discute a relação trabalho e família vivenciada por trabalhadoras domésticas no Brasil a partir de análise de bases de dados governamentais e entrevistas semiestruturadas com trabalhadoras domésticas. A pesquisa indica que as trabalhadoras acumulam trabalho doméstico remunerado e não remunerado ou recorrem a outros arranjos que não alteram a dinâmica de relações de subordinação e as normas de gênero na articulação entre trabalho e família. A ampliação e efetivação da legislação trabalhista para a categoria requer políticas que visem a socialização e a desgenerificação dos custos do cuidado.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Marta Valeriano, Universidade Federal de Goiás

Doutoranda em Sociologia pela Universidade Federal de Goiás, Brasil

Tania Ludmila Dias Tosta, Universidade Federal de Goiás

Professora da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás, Brasil. Doutora em Sociologia pela Universidade de Brasília, Brasil. 

Jordão Horta Nunes, Universidade Federal de Goiás

Proefessor da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás. Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas, Brasil.

Citas

Acciari, L., & Pinto, T. (2020). Praticando a equidade: Estratégias de efetivação de direitos no trabalho doméstico. Estudos Avançados, 34(98), 73–90. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3498.006

Albieri, S. & Bianchini, Z. (2015). Principais Aspectos de Amostragem das Pesquisas Domiciliares do IBGE - Revisão 2015 / IBGE (pp. 1-54). Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94403.pdf

Ávila, M. (2009). O tempo do trabalho das empregadas domésticas: tensões entre dominação/exploração e resistência. Recife: Editora da Universidade Federal de Pernambuco.

Bento, P. (2016). Mensalistas e diaristas: as implicações pertinentes às relações entre famílias, rendimento e direitos de trabalhadoras domésticas. (Dissertação de mestrado). Sociologia, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil. Recuperado de: https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/22714/1/2016_PauloDoniseteBento.pdf

Bernardino-Costa, J. (2015). Decolonialidade e interseccionalidade emancipadora: a organização política das trabalhadoras domésticas no Brasil. Sociedade e Estado, 30, 147-163. https://doi.org/10.1590/S0102-69922015000100009

Bilac, E. (2014). Trabalho e família: Articulações possíveis. Tempo social, 26(1), 129-145. https://doi.org/10.1590/S0103-20702014000100010

Borgeaud-Garciandía, N. (2017) Trayectorias de vida y relaciones de dominación. Las trabajadoras migrantes en Buenos Aires. Revista Estudos Feministas, 25(2), 757-776. https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n2p757

Boris, E. (2014) Produção e reprodução, casa e trabalho. Tempo social, 26(1), 101-121. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/ts/v26n1/08.pdf

Brites, J. & Picanço, F. (2013). O emprego doméstico em números, tensões e contradições: alguns achados de pesquisas. In 37aReunião da ANPOCS, Águas de Lindóia.

Brites, J. (2007). Afeto e desigualdade: gênero, geração e classe entre empregadas domésticas e seus empregadores. Cadernos Pagu, 29, 91-109. https://doi.org/10.1590/S0104-83332007000200005

Brites, J. (2013). Trabalho doméstico: questões, leituras e políticas. Cadernos de Pesquisa, 43(149), 422-451. https://doi.org/10.1590/S0100-15742013000200004

Bruschini, C. (2006). Trabalho doméstico: inatividade econômica ou trabalho não-remunerado? Revista Brasileira de Estudos Populacionais, 23(2), 331-353. https://doi.org/10.1590/S0102-30982006000200009

Canevaro, S. (2009). Empleadoras del servicio doméstico en la Ciudad de Buenos Aires: intimidad, desigualdad y afecto. Avá, 15(2), 187-207.

Cardoso, A. (2013). Organização e intensificação do tempo de trabalho. Sociedade e Estado, 28(2), 351-374. https://doi.org/10.1590/S0102-69922013000200009

Carrasco, C. (2003). ¿Conciliación? No, gracias. Hacia una nueva organización social. En Amoroso, M. et al., Malabaristas de la vida. Mujeres, tiempos y trabajos (pp.27-51). Barcelona: Icaria.

Colen, S. (1995). Like a mother to them: stratified reproduction and West Indian childcare workers and employers in New York. In Ginsburg, F. & Rapp, R. (Org.). Conceiving the new world order: the global politics of reproduction (pp. 78-102). Berkeley: University of California Press.

Dal Rosso, S. (2008). Mais trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo.

Dedecca, C. (2004). Tempo, trabalho e gênero. In Bezerra, M. et al. (Org.). Reconfiguração das relações de gênero no trabalho (p. 21-52). São Paulo: CUT Brasil.

Delfino, A.; Herzfeld, C. & Arrillaga, H. (2015). Trabajo doméstico no remunerado y uso del tiempo en la Provincia de Santa Fe: una caracterización hacia 2013. Revista de Estudios Regionales (11), 35-57.

Fraga, A. (2016). O serviço doméstico sob os holofotes públicos: alterações na articulação entre trabalho produtivo e reprodutivo no Brasil (Estado, mercado e família). (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

Gorbán, D. & Tizziani, A. (2014). Inferiorization and deference: The construction of social hierarchies in the context of paid domestic labor. Women's Studies International Forum, 46, 54–62. Recuperado de https://daneshyari.com/article/preview/375986.pdf

Gorbán, D. & Tizziani, A. (2019). ¿Cada una en su lugar? Trabajo, género y clase en el servicio doméstico. Buenos Aires: Editorial Biblos.

Graham, S. L. (1992). Proteção e Obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro – 1860 – 1910. São Paulo: Cia das Letras.

Guedes, M. (2016). Percepções sobre o papel do Estado, trabalho produtivo e trabalho reprodutivo: uma análise do Rio de Janeiro. Cadernos Pagu, 47, e164720. https://doi.org/10.1590/18094449201600470020

Guimarães, N. & Vieira, P. (2020). As “ajudas”: o cuidado que não diz seu nome. Estudos Avançados, 34(98), 7-24. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3498.002

Gutiérrez-Rodríguez, E. (2014). Domestic work–affective labor: on feminization and the coloniality of labor. Women's Studies International Forum, 46, 45-53.

Hirata, H. & Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 595-609. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/cp/v37n132/a0537132.pdf.

Hochschild, A. (2004). As cadeias globais de assistência e a mais-valia emocional. In Hutton, W. & Giddens, A. No limite da racionalidade – convivendo com o capitalismo global (pp. 187-209). Rio de Janeiro: Record.

IBGE (2017). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Rio de Janeiro: IBGE (Notas técnicas – Versão 1.4).

Kergoat, D. (2009). Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, H. at al. Dicionário crítico do feminismo (pp.67-75). São Paulo: UNESP.

Lisboa, T. (2007). Fluxos migratórios de mulheres para o trabalho reprodutivo: a globalização da assistência. Estudos Feministas, 15(3), 805-821. Recuperado de: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/download/S0104-026X2007000300017/1620

Mattoso, K. (1982). Ser escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense.

Melo, H. (1998). De criadas a trabalhadoras. Estudos Feministas, 6(2), pp.323-357. Recuperado de: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/download/12011/11297

Monticelli, T. (2013). Diaristas, afeto e escolhas: ressignificações no trabalho doméstico remunerado. (Dissertação de mestrado), Sociologia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.

ONU Mulheres, OIT e CEPAL. (2020). Trabalhadoras domésticas remuneradas na América Latina e no Caribe frente à crise da COVID-19. BRIEF v 1.1.

Pérez, I., Cutuli, R. & Garazi, D. (2018). Senderos que se bifurcan. Servicio doméstico y derechos laborales en la Argentina del siglo XX. Mar del Plata: EUDEM.

Ribeiro, C. (2014). Usos de si e (in)formalidade no trabalho da empregada doméstica diarista. (Tese de doutorado), Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Rizavi, S. & Sofer, C. (2008). Trabalho doméstico e organização do tempo dos casais: uma comparação internacional. In Costa, A. et al. (orgs.). Mercado de trabalho e gênero: comparações internacionais. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Santana, M. (2003). As condições e o sentido do trabalho doméstico realizado por adolescentes que residem no local de emprego. (Dissertação de mestrado), Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/17505

Santos, N. (2010). Desigualdade e identidade no serviço doméstico: intersecções entre classe, raça e gênero. (Dissertação de mestrado), Sociologia. Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Brasil. Recuperado de http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tde/1600

Sorj, B; Fontes, A. & Machado, D. (2007). Políticas e práticas de conciliação entre família e trabalho no Brasil. Cadernos de Pesquisa, 37(132). https://doi.org/10.1590/S0100-15742007000300004

Souza-Lobo, E. (2011). A classe operária tem dois sexos. Trabalho, Dominação e Resistência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Urrutia, V; Faúndez, O. & Contreras, C. (2017). Negociaciones en familia: género, trabajo y cuidado en Chile. Revista Estudos Feministas, 25(2), 661-668.

Valeriano, M. M. (2017). Elas são quase da família: trabalho, identidades e trajetórias de trabalhadoras domésticas residentes. (Dissertação de mestrado), Sociologia, Universidade Federal de Goiás, Goiás, Brasil.

Vazquez Lorda, L. & Pérez, I. (2019). Fe y Trabajo: servicio doméstico, asociaciones católicas y género en los años cincuenta. Descentrada, 3(2), e089. https://doi.org/10.24215/25457284e089

Vieira, N. & Almeida, T. (2019). O trabalho doméstico e as babás: lutas históricas e ameaças atuais. Sociedade e Cultura, 22(1), 135-156. https://doi.org/10.5216/sec.v22i1.57899

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, 22(44), 203-220. https://doi.org/10.20396/temáticas.v22i44.10977
Publicado
2021-03-01
Cómo citar
Valeriano, M., Dias Tosta, T., & Horta Nunes, J. (2021). Casa e trabalho: tensões e arranjos no cotidiano de trabalhadoras domésticas. Descentrada, 5(1), e133. https://doi.org/10.24215/25457284e133
Sección
Dossier Mundos del trabajo y relaciones de género